Pular para o conteúdo

É dia dos cravos

Lisboa, 25 de Abril de 1974.

Sim, Portugal passava por uma ditadura.
Sim, foi um golpe militar.
Sim, houve uma manifestação, em que a reivindicação era a liberdade do povo.
Sim, as ruas de Lisboa ficaram manchadas de vermelho.
Não, não era sangue. Eram cravos.

dsc03501

Conta a lenda que no dia o self-service “O Franjinhas” comemorava o seu 1.º aniversário e o seu proprietário tinha comprado cravos vermelhos para oferecer aos seus clientes.  Devido à agitação revolucionária, o estabelecimento não abriu e uma funcionária do restaurante saiu com os cravos para que não murchassem. Ao ir para casa e vendo a felicidade do povo começou a distribuir pelos militares os cravos que os colocaram nos canos das suas armas.
Daí eles marcharam pela zona do Rossio de Lisboa, com as armas em punho e os cravos em suas pontas. Forçaram os governantes a abandonar seus postos. E funcionou!

Foi assim, mas não foi só isso.
Resumidamente, aconteceu o seguinte: os militares cansados de dançar conforme a música do Salazar e companhia, também chamado ironicamente de “a velha senhora”, se revoltaram contra o governo. Não foi de um dia para o outro. Ao longo de 9 meses, aconteceram brigadas, manifestações, e tal. Até que a revolução final foi organizada. Os líderes revoltosos combinaram com os que aderiram à causa que no dia 25 de abril de 1974, cerca de 2 da manhã, seria iniciado o ataque. Mas como eles saberiam que estava tudo certo? Como saberiam que poderia ir a diante com o plano? Precisavam de um código que fosse possível chegar a todos os quartéis, ao mesmo tempo, sem levantar suspeita. Justo o que aconteceu. Quando tocasse na rádio a música “Grandôla, Vila Morena“, o golpe seria iniciado. Os militares dos quartéis das zonas nos arredores de Lisboa (Santarém, Estremoz, Vilas Novas) marcharam em direção à Praça do Comércio, onde estavam todos os Ministérios. Pelo restante do país as forças militares também tomaram rádios e aeroportos. Também cercaram o quartel da Guarda da GNR (Guarda Nacional da República) no Carmo (também lá pros lados do Rossio de Lisboa). O Governo até tentou relutar, mas… o povo não deixou.dsc03558
Existia uma polícia chamada PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado) que prendia os que se opunham ao Governo, mas não chegava… E os maus-da-fita (ou seja, o Governo) até tentaram mandar vir por terra e por mar reforços para parar a multidão, mas… não chegava.

O povo se uniu à manifestação militar, foram para as ruas, cantavam “o povo, unido, jamais será vencido” e outros brados retumbantes em prol da liberdade. Auxiliaram os militares, serviram comida e água, para que estes fortes guerreiros não precisassem abandonar o campo de batalha.

O Governo não teve outra opção, senão ceder. E deu-se a vitória ao povo. Desde este 25 de Abril, Portugal mudou. Para melhor, é claro!  Também mudou o nome da ponte que unia as margens do Tejo. De “ponte Salazar” virou ponte 25 de abril.

Eu achei que a Avenida da Liberdade, que liga a praça Marquês de Pombal à praça Restauradores, também tinha este nome em homenagem à revolução, já que os militares com cravos passaram por ali também. Pesquisei a respeito e descobri que a Avenida da Liberdade sempre foi chamada desse jeito, desde que o Marquês de Pombal reconstruiu a cidade de Lisboa após o terramoto de 1755. Mas é outra história, que eu conto em outro post depois.

Existem muitos textos sobre a revolução, e não vale a pena transcrevê-los. Prefiro citar os links, para os interessados:

Resultados do Wikipedia
Monografia sobre a revolução
Vídeo e textos sobre o 25 de abril
Área Militar.net
Opinião e Notícia.com.br
Site 25 de abril.org

dsc03519Eu não resisti e fui à manifestação. Calma! Fui hoje, em 2009, 35 após o grande evento da Liberdade. Na altura do acontecimento original eu nem era nascida, e meus pais de certeza ainda não planeavam o meu nascimento.

Não era bem um desfile, como o 7 de setembro, no Brasil. Era uma nova manifestação. As juntas de freguesias de diversas localidades, principalmente das que participaram da revolução de 74 estavam lá. Todos com cravos na roupa ou nas mãos, e quem não tinha um cravo, tinha um adesivo com uma foto de um cravo. Todos pediam liberdade, porque com a crise econômica, o povo ficou meio “podado”. Alguns criticavam o Governo, outros faziam manisfestações sindicais. Tinha bandas, tambores, carros de som e até gaitas de foles.

É claro que eu pus um cravo na minha lapela. Entrei no clima, e é a primeira vez que vejo um manifesto que é do povo, em prol do povo.

O ilustre poeta Chico Buarque também deu o ar de sua arte para a Revolução. Termino aqui com o videoclip de “Tanto Mar”.

1 Comentário »

  1. Oi.
    eu tenho um fila com papilomatose e o tratamento está dando certo.
    Se quiser podemos trocar informações.
    Abraço,
    Elaine

Deixe uma resposta para Elaine Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: