Fala que eu te escuto, de coração aberto e com um sorriso no rosto

Se vocês soubessem quantos e-mails eu tenho recebido ultimamente de leitores interessados em saber mais sobre a vida em Portugal ou na Inglaterra… e que eu me esforço pra responder a todos em no máximo 5 dias (meu background profissional é maioritariamente em qualidade e gestão de atendimento), não é de se estranhar que eu tenha estabelecido um “SLA” pra mim mesma LOL.

Mas sabe que isso me faz bem? Perceber que eu, atualmente “mãe a tempo inteiro”, cuidando da casa e das crianças, dando apoio pro marido enquanto ele procura uma oportunidade de trabalho, ainda consigo ajudar algumas pessoas desconhecidas que estão cheias de pontos de interrogação à frente e isso faz me sentir uma pessoa melhor.

Não sei se eu já mencionei isso antes (ou se está num dos 25 posts que eu comecei a escrever e não publiquei), mas eu tenho um dom pra treinamento/formação. Eu gosto de ensinar, gosto de dividir conhecimento. Gosto de estar à frente de pessoas e lhes dar todo o conhecimento que eu tenho em determinado assunto. Gosto de motivar as pessoas, de fazer com que elas descubram as suas paixões e afinidades, de lhes dar ambição. Gosto de ver as pessoas felizes.

E por isso que eu sempre respondo todo mundo (quem me encontrou pelo facebook e mandou private message, sorry, eu não consigo controlar e não recebo alerta das mensagens que entram por lá, por isso criei o “fala que eu te escuto” e ainda levei um tempinho até conseguir acertar umas configurações de mailing, mas já está tudo certinho) e até pesquiso mais coisas para aquela pessoa em específico, pra dar o máximo informação possível e me coloco a disposição pra ajudar em mais alguma coisa que estiver ao meu alcance.

Isso também vale para os emails que tenho recebido sobre amamentação, papilomatose canina e osteotemia do fêmur.

Não sou expert, mas o que eu souber, partilharei com você. Por que essa boa vontade toda? Porque sim. E não vejo outra resposta pra isso.

Eis que um dos meus leitores, que já me contactou pelo “fala que eu te escuto”, leu a resposta a um comentário que fiz outro dia num post daqui do Banho de Chuva e me mandou ontem um email fofo com palavras lindas e se colocando a disposição pra nos ajudar com dúvidas que tenhamos sobre uma sugestão que ele deu: procurarmos trabalho na Suíça caso as coisas aqui não se ajeitem.

Um gesto incrível. Fiquei comovida. E logicamente super motivada, porque não tinha pensado nessa hipótese.

Vou sem dúvida aceitar essa mão amiga e encher ele de perguntas, mas antes vou fazer o dever de casa e perguntar aquilo que não há respostas na internet. Comecei ontem as pesquisas sobre a vida na Suíça, vistos, moradias (cada país tem suas regras) e fui pesquisar sobre portugueses na Suíça e, entre algumas informações relevantes e outras nem por isso, encontrei um blog de uma fulana que mora em Genebra desde 2009. Num post sobre “dicas” para quem pretende trabalhar no país ela já começa escrevendo que “minha contribuição está neste post”, e praticamente todas as pessoas que escrevem comentários no respectivo artigo recebem como resposta “não sei informar”.

Sim, ela sabe informar. Quem vive lá sabe responder metade das perguntas que foram colocadas nos comentários. Isso pra mim chama-se má vontade. Até que as pessoas que comentam no post começam a trocar contatos entre si porque essa blogueira e nada é a mesma coisa.

No blog dessa fulana tem vários portugueses que estão procurando informação sobre a vida na Suíça, mas eles nitidamente não fazem ideia de como é, por isso pesquisam na web, encontram informações e querem saber mais, o que é óbvio.

Brasileiros não fazem ideia de como funciona a burocracia ou a vida (na forma prática da coisa) na Europa. Meus leitores do Brasil estão procurando uma chance de ter uma vida melhor, ou apenas querendo informações sobre um país por parte quem vive/já viveu lá. O que me custa dizer??? Qual é a dificuldade de se partilhar o conhecimento de como funcionam as coisas em terras lusas ou em Manchester? Se eu pudesse falar de mais lugares, certamente o faria. Mas minha vida limita-se (até o dia de hoje, amanhã nunca se sabe) a Rio/Lisboa/Manchester.

Este artigo é dedicado ao canal “fala que eu te escuto” (que tem uma bonequinha acenando pra você, que foi presente de um outro leitor que estava de mudança pra Lisboa e já está lá, feliz e cheio de planos).

É pra você, leitor do Banho de Chuva, saber que não precisa ter vergonha de me perguntar o que quer que seja sobre a vida em Portugal ou em Manchester (ou sobre os outros assuntos que eu abordo aqui). O que eu não souber vou tentar pesquisar pra te ajudar, mas não prometo ter respostas pra tudo (quem tem, não é verdade?). Mas pode ter a certeza, eu vou te responder. De coração aberto e com um sorriso no rosto.

Anúncios

5 comentários sobre “Fala que eu te escuto, de coração aberto e com um sorriso no rosto

  1. Oi, Carol! Descobri o seu blog nessa semana. Estou em pesquisa para uma nova mudança, mas depois falo disso com calma. Agora escrevo apenas pra te dar parabéns por suas palavras e atitudes em querer ajudar o outro!
    Que bacana ver isso! Volto a manter contato. Bjo!

  2. Olá, Bom dia!
    Antes de tudo….PARABÉNS!!!!!! FANTÁSTICO!!!!!!!!!!!!

    Olhar o próximo é um ensinamento bíblico, parabéns!

    Bom, estamos estudando já a meses Portugal, em especial Lisboa, somos eu, minha esposa e duas filhas (8 e 11 anos), minhas dúvidas e medos são sempre os mesmos de todos…qualidade de vida (segurança, escola, saúde, moradia, trabalho, custo de vida…). Tenho acompanhado seus posts, e tem me ajudado muito, mas vou te pedir uma ajuda um pouco mais direto. No Brasil tenho uma empresa de construção civil e em Portugal gostaria de continuar nesta área por ter experiencia, como está o mercado nesta área? Construções novas, manutenção, reparos, pinturas, elétricas, hidráulicas, SPDA (para raios).
    Temos olhado como preferência Lisboa, como é a educação, transporte, saúde em Lisboa?
    Quanto vc estima que será meu custo de vida em Lisboa, considerando uma vida confortável, por favor me entenda, no Brasil temos uma vida confortável, mas estamos dispostos a reiniciar tudo em prol das meninas…
    Minha esposa é aposentada e estamos pensando em ir para Portugal como aposentado, o que você acha?
    Teremos uma renda de aproximadamente 1.000 euros mensais vindos do Brasil, o restante trabalharemos em Lisboa.

    Desde já agradecemos muito.

    At.

    André

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s