Arquivo da categoria: Imigração

Faltam 4 dias

Tudo à minha volta está uma confusão. Minha casa quase sem mobília, tudo o que havia dentro delas em sacos, caixas ou simplesmente empilhado num canto, meu filho sem rotina nenhuma, minha filha tentando ter uma rotina, horas a menos de sono e 4 dias sem marido.

Ele foi pra Manchester pra pegar as chaves de casa e pra comprar a mobília ultra necessária pra chegarmos lá. Basicamente, o quarto das crianças, um sofá e um colchão pra dormirmos.

Depois que o Marvin foi embora, conseguimos o deal de uma casa em apenas 4 dias. Ou seja, o deixámos na casa do criador no Domingo e tivemos a nossa proposta aprovada numa 5a feira. Mais uns 10 dias de burocracia e pronto! Chaves liberadas.

Faltam 4 dias pra mudarmos todos nós pra casa nova. Cidade nova. País novo.

Sei que vai ser maravilhoso, não tem como não ser. Adoro a Inglaterra, as pessoas, a diversidade. Acho que Manchester vai me surpreender positivamente. Sei que não é como Londres, mas é mais cidade (em termos de desenvolvimento e acesso a informação) que Lisboa.

E mesmo assim, mesmo eu estando super ansiosa pra conhecer minha nova vida, me dá um apertozinho lá no fundo porque não vou ter nem a minha Luka e nem o meu Marvs comigo nessa mudança.

Talvez tenha sido por isso que Deus me tirou a Luka. E por sorte o Marvin ainda era novo o suficiente pra se apaixonar por outra família que lhe desse muito amor e que pudesse ficar com ele pra sempre.

Sinto falta dos meus cães. Vou ter tanta coisa pra fazer no início que não vou ter tempo pra sofrer por isso, mas quando as coisas entrarem nos eixos, acho que vai me dar um ligeiro vazio…

De Portugal para a Inglaterra

Como disse antes, amo Lisboa. Sou muito feliz aqui.
Mas infelizmente, a economia e a política do país hoje não está favorável para que eu consiga ter o padrão de vida que almejo para os meus filhos.

E devido a alguns acontecimentos recentes no mercado de trabalho do meu marido, a oferta de trabalho tem vindo a cair e chegou num ponto que não vai dar para sermos auto sustentáveis a curto prazo.

Acho que a crise em Portugal estagnou, mas ainda estamos em recessão. Vai levar alguns anos para que voltemos a crescer, e até isso acontecer, não vejo lógica em continuar aqui. Emocionalmente eu não tirava mais o pé daqui por nada, mas pensando bem…

Eu estou afastada do mercado de trabalho e assim estou desde o 4º mês de gravidez da Olivia. Quero voltar em breve, mas a matemática não tem feito muito sentido: para eu trabalhar, preciso colocar minha filha na creche. O ordenado que ultimamente estão oferecendo não está muito acima do mínimo (na verdade, a maioria paga o mínimo e ponto final), e o valor da mensalidade da creche é quase o ordenado mínimo.

Portanto, trabalhar para ficar na mesma não compensa. Lógico que seria ótimo pra Olivia estar num ambiente com outras crianças, pra socializar, mas temos que pensar de forma mais prática.

Então, aproveitando as vantagens de existir o Espaço Economico Europeu (EEA), decidimos hoje imigrar mais uma vez. Não voltaríamos para o Rio, porque em termos financeiros ia ser pior do que continuar aqui.

Pensamos e ponderamos: know how, idiomas que falamos, mercado de trabalho, educação, custo médio moradia, saúde, segurança, custo de vida (manutenção casa e alimentação) e chegamos a conclusão de que Manchester é o nosso próximo porto.

Ainda estou pesquisando sobre tudo e mais alguma coisa, afinal, já estive 3 vezes em Londres, mas nunca em Manchester, e o mais sensato que uma pessoa que quer imigrar deve fazer é pesquisar a respeito antes de sequer começar a fazer as malas.

A nossa maior preocupação é a adaptação do nosso filho, e tenho recorrido a alguns blogs pra ter informações.

Conforme eu conseguir respostas sobre a burocracia para imigrar, partilho por aqui.

Por agora, eu digo apenas que vou ter imensas saudades de Lisboa. Estará sempre na minha vida e no meu coração.

Novos planos no forno…

Por agora não consigo dizer muito mais, mesmo porque não há nada definido 100%. Ok, digamos que temos 70% de definição 🙂
Posso apenas dizer que sou muito feliz em Lisboa e adoro muita coisa aqui, mas tudo na vida é um ciclo e eu e meu marido chegamos a conclusão que este ciclo chegou ao fim.

Temos que galgar novos desafios e pensar que qualquer sacrifício será sempre em prol do que há melhor na nossa vida: nossos filhos.

Em breve, novidades.